Ciência Aberta

Open Science

Ciência Aberta

Políticas

Acesso

Apoio

O Conhecimento é de Todos e para Todos

Ciência aberta apresenta-se como abertura do processo científico como um todo, colaborativo, transparente e aberto, permitindo a partilha e a comunicação dos processos e resultados com a comunidade científica, através da utilização das tecnologias digitais, ampliando assim o conceito de responsabilidade social científica.

O Instituto Politécnico de Viseu está empenhado em promover a ciência aberta por forma a tornar a ciência mais aberta e ainda mais fiável, eficiente e relevante para a sociedade

Acesso aberto
Acesso Aberto

O Acesso aberto (OA) é um movimento académico amplo e internacional que visa o livre acesso online à informação científica, como publicações e dados. O modelo de acesso aberto difere do modelo de assinatura em que os leitores têm de pagar, geralmente através da sua biblioteca, pelo acesso à informação científica.

Porquê o acesso aberto?
O acesso aberto é uma ampla ligação externa do movimento académico internacional que visa o acesso livre e online a informação científica, como publicações e dados. A ciência aberta e o acesso aberto tornar-se-ão a norma na investigação científica. Um dos seus principais objetivos é ter toda a sociedade a beneficiar da investigação financiada por meios públicos. Este princípio é também subscrito pelo Governo Português e o Instituto Politécnico de Viseu quer estar na vanguarda destes desenvolvimentos.

O Instituto Politécnico de Viseu torna os resultados das suas atividades de investigação acessíveis ao público, com o objetivo de contribuir para a divulgação e utilização deste conhecimento. Desde 2010 que o Repositório do Instituto Politécnico de Viseu procura dar acesso a todas as publicações do Instituto

Plano Nacional Ciência Aberta
O acesso aberto insere-se no contexto mais amplo da ciência aberta, é uma abordagem do processo científico baseada em novas formas de difusão do conhecimento com a ajuda de tecnologias digitais e de novas ferramentas de colaboração. O Conselho de Ministros aprovou uma resolução com as orientações para a Política Nacional de Ciência Aberta, onde se pode ler como e porquê, Portugal promove a ciência aberta.

Plano S
O Plano S, lançado em 2018, é uma iniciativa de dezoito financiadores europeus de investigação e três fundos para acelerar a transição para um acesso 100% aberto. Plano S refere-se a publicações que são financiadas pelos financiadores de investigação participantes, incluindo a FCT.

Aumente o impacto da sua investigação
O acesso aberto oferece acesso gratuito à informação científica, facilitando a partilha e divulgação dos resultados da investigação científica. Como resultado, os artigos resultantes das investigações cientificas publicados chegaram rapidamente a um publico mais abrangente E quanto mais frequentemente o artigo for partilhado/lido, maior será o impacto da investigação desenvolvida.

Princípios FAIR

Como criar dados FAIR

Os princípios dos dados FAIR são princípios orientadores sobre como tornar os dados Localizáveis, Acessíveis, Interoperáveis e Reutilizáveis.

Porquê?

A ciência, no seu âmago, é uma disciplina que se baseia nas descobertas. A quantidade de progresso que podemos fazer como comunidade académica está, portanto, intrinsecamente ligada à quantidade de informação que disponibilizamos e reutilizamos para outros. À medida que a ciência entrou na era digital, a quantidade de dados produzidos começou a atingir tamanhos astronómicos.

Princípios FAIR

Felizmente, o mesmo movimento digital trouxe consigo plataformas digitais onde os dados puderam ser armazenados e retransmitidos. Mas como utilizar estas plataformas digitais de uma forma organizada? Os princípios FAIR (Findable, Accessible, Interoperable, Reusable/Localizáveis, Acessíveis, Interoperáveis, Reutilizáveis) são um quadro útil para pensar na partilha de dados de uma forma que permita a sua máxima utilização e reutilização.

Benefícios para a investigação/investigadores

Tornar os dados de investigação mais FAIR proporcionará uma série de benefícios aos investigadores, comunidades de investigação, instalações de infra-estruturas de investigação e organizações de investigação, incluindo:

    • Atingir o máximo impacto da investigação.
    • Aumentar a visibilidade e as citações da investigação.
    • Melhorar a reprodutibilidade e fiabilidade da investigação.
    • Atrair novas parcerias com investigadores, empresas, políticas e comunidades mais vastas.
    • Permitir que novas questões de investigação sejam respondidas.

Ao transformar os dados FAIR, os metadados desempenham um papel importante. O porquê e como é explicado aqui:

Metadados

Como criar dados de investigação FAIR?

Há diferentes níveis de criar dados FAIR. Note-se que poderá nem sempre conseguir aderir a todos. Mas a aplicação de alguns dos princípios irá aumentar a capacidade de pesquisa, acessibilidade, interoperabilidade e reutilização dos dados de investigação.

Localizável

O primeiro passo na (re)utilização de dados é encontrá-los. Metadados e dados devem ser fáceis de encontrar, tanto para humanos como para computadores. Os metadados legíveis por máquina são essenciais para a descoberta automática de conjuntos de dados e serviços.

Faça com que os dados possam ser encontrados, assegurando que:

    • Os dados são descritos com metadados ricos.
    • Os (Meta)dados são atribuídos a um identificador globalmente único e persistente (por exemplo, um DOI).
    • Os (Meta)dados são registados ou indexados num recurso pesquisável.

Acessível

Deverá ser possível aos seres humanos e máquinas ter acesso aos dados, sob condições ou restrições específicas, quando apropriado. FAIR não significa necessariamente que os dados tenham de ser abertos! Nos casos em que os dados não possam ser tornados abertamente acessíveis, ainda é possível tornar os metadados publicamente disponíveis.

Tornar dados acessíveis, assegurando

    • O repositório que está a utilizar para partilhar os dados atribui identificadores persistentes através dos quais os dados podem ser recuperados.
    • O procedimento de acesso inclui etapas de autenticação e autorização, se necessário.
    • Os metadados são acessíveis, sempre que possível, mesmo que os dados não o sejam.

Interoperável

Para acelerar a descoberta e descobrir novos conhecimentos, os dados de investigação devem ser facilmente combinados com outros conjuntos de dados, aplicações e fluxos de trabalho por seres humanos, bem como sistemas informáticos.

Torne os dados interoperáveis, utilizando quando possível, formatos e software bem conhecidos e de preferência abertos.

normas relevantes para metadados.

esquemas acordados pela comunidade, vocabulários controlados, palavras-chave, thesauri ou ontologias, sempre que possível.

Reutilizável

Os dados da investigação devem estar prontos para investigação futura e processamento futuro, tornando evidente que os resultados podem ser replicados e que a nova investigação se baseia efetivamente em resultados já adquiridos, resultados anteriores.

Torne os dados reutilizáveis, assegurando que os dados

    • estão bem documentados para apoiar uma interpretação adequada dos dados.
    • têm uma licença de utilização de dados clara e acessível para que outros saibam que tipos de reutilização são permitidos.
    • tem informação de proveniência para tornar claro como, porquê e por quem os dados foram criados e processados.
    • (e metadados) cumprem as normas de domínio relevantes.
Plano de gestão de dados
Neste guia conciso, poderá ler mais sobre os benefícios de escrever um plano de gestão de dados (PGD), seguido de algumas dicas para começar a escrever o próprio plano.

As vantagens do plano de gestão de dados
Um plano de gestão de dados é um documento formal que se desenvolve no início do projeto de investigação e que descreve todos os aspetos da gestão de dados, tanto durante como após o projeto. A gestão de dados tem tudo a ver com tornar o trabalho eficiente, e criar mais valor para os dados, para si e para os outros, durante e após a investigação. Por exemplo, trabalhando no sentido de FAIR (dados localizáveis, acessíveis, interoperáveis, reutilizáveis) ou Open data. Pensar na gestão de dados no início do projeto irá assegurar de que está bem preparado.

Escrever o próprio plano de gestão de dados
Ao escrever o próprio plano de gestão de dados (PGD), devemos ter em consideração o seguinte:

  • Use a orientação que está disponível
  • No Instituto Politécnico de Viseu, defendemos a utilização da ferramenta ARGOS, na qual pode preencher o plano de gestão de dados (PGD) online

O modelo indicado pelo Instituto Politécnico de Viseu irá integrar também o modelo de Plano de Gestão de Dados da FCT.
O Argos é uma plataforma aberta e colaborativa desenvolvida pela OpenAIRE para facilitar as atividades de Gestão de Dados de Investigação (GDI) relativas à implementação de Planos de Gestão de Dados. Utiliza guias OpenAIRE criados pela Task Force RDM para familiarizar os utilizadores com conceitos básicos de GDI e guiá-los ao longo de todo o processo de escrita de PGDs. Também utiliza o conjunto de serviços e fontes inferidas do OpenAIRE para tornar os PGDs mais dinâmicos na utilização e mais fáceis de serem completados e publicados.

O Argos é de fácil utilização. Familiariza os utilizadores com o processo PGD e fornece orientação sobre conceitos básicos de GDI para que os utilizadores encontrem recursos úteis para aprenderem sem terem de abandonar o ambiente Argos. Os utilizadores podem convidar colegas e trabalhar em colaboração para completar um PGD. Além disso, Argos é uma parte integrante do ecossistema OpeAIRE e do Gráfico de Investigação. Argos integra outros serviços do ecossistema para permitir a contextualização da informação, o que é especialmente útil quando os dados são reutilizados, por exemplo para compreender como/ se podem ser reimplantados.

Nota: Informação retirada de ARGOS

Apoio à publicação

Como posso publicar em acesso aberto?

Ao publicar em acesso aberto significa disponibilizar livre e permanente, na internet, de cópias gratuitas de artigos de revistas científicas revistos por pares (peer-reviewed), comunicações em conferências, relatórios técnicos, dissertações, teses, artigos não revistos (preprints), livros, capítulos de livros e documentos de trabalho. Existem diferentes formas de o conseguir. É importante saber como encontrar uma revista fidedigna em acesso aberto e evitar editoras predadoras.

Há duas formas de tornar as suas publicações em acesso aberto:

  • via dourada – publicação em revistas científicas de acesso aberto com revisão por pares
  • via verde – para além da publicação em revistas científicas tradicionais, podem publicar em simultâneo em repositórios institucionais ou temáticos.

Informação sobre políticas de Acesso Livre organizada pela revista
SHERPA Romeo dá informações de cada revista sobre a versão do artigo, a duração dos períodos de embargo e as políticas de direitos de autor.

Mais informação em SHERPA ROMEO

Repositório do IPV: a via verde de acesso aberto

Seguir a via verde para a publicação em acesso aberto significa depositar o(s) artigo(s) no Repositório do Instituto Politécnico de Viseu, o arquivo científico do Instituto Politécnico de Viseu.

Os depósitos do repositórios são pesquisáveis através do RCAAP, o portal nacional dos Repositórios Científicos Aberto de Portugal. Além disso, todas as publicações no Repositório do Instituto Politécnico de Viseu podem ser encontradas através de motores de pesquisa generalistas, tais como o Google Scholar.

Porquê arquivar as suas publicações no Repositório do Instituto Politécnico de Viseu?

  • Promove a visibilidade e a capacidade de pesquisa das suas publicações;
  • As publicações no repositório são visíveis no RCAAP e podem ser encontradas por motores de pesquisa como o Google Scholar;
  • Aumenta o impacto da pesquisa;
  • Sempre que possível, as publicações são tornadas livremente acessíveis (acesso aberto). Em acesso aberto a sua publicação será lida com mais frequência e há uma maior probabilidade de a publicação ser citada.

Outros repositórios
Existem vários repositórios onde pode tornar a sua publicação em acesso aberto. Estes repositórios são frequentemente organizados por disciplina. Encontrá-los-á no Directory of Open Access Repositories (OpenDOAR). Pode também utilizar o Zenodo para investigação financiada pela União Europeia.

Perguntas?

Sobre o Repositório do Instituto Politécnico de Viseu: envie um e-mail para
repositoriosc.ipv.pt

Encontrar uma revista confiável em acesso aberto

A Taxa de Publicação de Artigos (APC) não é uma indicação para a qualidade de um periódico. Existem excelentes revistas em acesso aberto que não cobram custos ao autor. Infelizmente há editores que cobram custos de publicação mas não fornecem serviços editoriais ou revisão por pares em troca, os chamados editores predatórios.

É por isso que é sempre necessário verificar a confiabilidade de uma revista:

  1. Verificar se a revista em acesso aberto está incluída no Directory of Open Access Journals (DOAJ), Web of Science, Scopus, Journal Citation reports (JCR) ou Pubmed. Estas bases de dados têm critérios de qualidade rigorosos. Em caso afirmativo, pode assumir com segurança que está a lidar com uma revista fiável.
  2. Verificar se conhece alguém do conselho editorial da revista. Contacte e pergunte se são de facto editores e se os artigos da revista são revistos por pares. Se não conhece ninguém do conselho editorial:
  3. Verificar se conhece um dos autores de um artigo recente. Contacte-os e pergunte sobre as suas experiências com o periódico. Não se esqueça de perguntar sobre as revisões por pares.
  4. Se ainda tiver dúvidas, contacte a biblioteca ou pense em publicar noutra revista.

Mais informações
Nos sites Quality Open Access Market (QOAM) e SciRev investigadores partilham as experiências com revistas. Ou pode deixar o próprio comentário.

Aqui poderá ler mais sobre a identificação de periódicos e conferências predatórias

Ou procure mais dicas sobre o Think Check Submit.

Precisa de ajuda?
Contacte-nos se precisar de ajuda na seleção de uma revista

Acesso aberto e licenças abertas

Na edição em acesso aberto, ao contrário da edição tradicional, o autor mantém os direitos de autor na maioria dos casos. Terá de escolher uma licença Creative Commons (CC) que estabelece as condições em que a sua publicação pode ser utilizada por outros.
A escolha de uma licença CC é frequentemente limitada pela editora, por exemplo CC-BY, CC-BY-NC, CC-BY-NC-ND. Aqui explicaremos os diferentes elementos da licença CC e como isto afeta a distribuição e reutilização da publicação.
Para facilitar a partilha e (re)utilização do conhecimento tão ampla e rápida quanto possível, é preferível a utilização da licença menos restritiva (CC-BY).

BY (Atribuição)
Outros, que utilizam o seu trabalho de qualquer forma devem dar-lhe crédito e indicar se foram feitas alterações. Isto faz parte de qualquer licença, exceto CC-0 (CC-zero; domínio público).

ND (Sem Derivados)
Outros, só podem copiar e distribuir a versão original da sua obra, e não modificações da sua obra.
Esta licença proíbe, por exemplo, a outros:

  • Partilhar os dados resultantes da pesquisa de texto e dados na sua publicação;
  • Partilhar uma tradução do seu trabalho.

NC (Não-Comercial)
Outros, que utilizem o seu trabalho como indicado na sua licença só o podem fazer para outros fins que não comerciais.
Esta licença proíbe outros, por exemplo, de o fazer:

  • Incluir a sua publicação a uma coleção de leituras selecionadas sobre um assunto específico, para venda na Amazon;
  • incluir dados da sua publicação numa base de dados comercial

SA (Partilhar Igualmente)
Outros, só podem distribuir o seu trabalho quando o fazem nos mesmos termos.
Esta licença proíbe, por exemplo, a outros:

  • Combinar a sua obra com outra obra que tenha uma licença mais restritiva.

Mais informações
Escolha a licença CC que satisfaça os seus requisitos.

Há algum custo envolvido na publicação de acesso aberto?

O acesso aberto baseia-se no princípio de que os leitores não têm de pagar pelo acesso à informação científica. No entanto, isto não significa que a disponibilização gratuita dessa informação não implique custos. Os editores cobram frequentemente taxas de publicação por publicar um artigo (ou livro), também denominadas Taxas de Publicação de Artigos (APCs).

Se, como autor, tiver de cobrir estes custos depende das condições estabelecidas pela revista na qual pretende publicar.

Tenho de pagar, o que devo fazer?
As opções disponíveis para reembolso dos custos de acesso aberto dependem do financiador do seu projeto de investigação. Abaixo encontrará informações para cada financiador sobre o reembolso dos seus custos.

O governo Português e a União Europeia têm como objetivo tornar todas as publicações científicas em acesso aberto.

FCT
Requisitos até dezembro de 2021
Tendo em vista a implementação das normas determinadas pela Política de Acesso Aberto, a FCT estabeleceu uma fase transitória, durante a qual considerará as normas cumpridas desde que a publicação seja depositada num dos repositórios da rede RCAAP. Durante esta fase, pretende-se consciencializar a comunidade científica para as práticas do Acesso Aberto, sobretudo o depósito das suas publicações, para que se tornem um hábito tão natural como o da submissão de um artigo a uma revista.
O pagamento de article processing charges (APC’s) ou similares que algumas editoras exigem para a publicação em Acesso Aberto é uma opção do investigador. Embora esse custo seja considerado elegível pela FCT, o pagamento de APC não é uma recomendação da FCT, uma vez que o cumprimento das normas de Acesso Aberto não implica a publicação direta em Acesso Aberto.
O depósito da publicação num dos repositórios do RCAAP deve ser feito independentemente do período de embargo a que a publicação fique sujeita. Durante a fase transitória, o período de embargo poderá ser superior ao definido nas normas, caso a editora assim o exija. Nos casos em que a editora não permita o autoarquivo da versão publicada, basta que o autor deposite a sua versão final (versão de autor), que é a versão pós-peer review mas sem a formatação, revisão de texto (meramente ortográfica e não de conteúdo científico) e a composição tipográfica da editora.

Financiamento
Pode pagar os custos de publicação de acesso aberto a partir do orçamento do projeto do financiador. A publicação numa revista de acesso livre completo é uma condição para reembolso.

Novos requisitos
A FCT informa que o processo de implementação do Plano S, previsto inicialmente para 1 de janeiro de 2022, vai ser estendido até 1 de julho de 2022. Durante 2021, a FCT desencadeou um processo que conduzirá à implementação de acordos transformativos este ano, através da negociação dos contratos com os editores presentes na b-on, relativos ao triénio 2022-2024, que assegurarão aos autores de instituições b-on a publicação em acesso aberto, na maioria destes editores e nas condições contratualizadas com cada um deles, sem qualquer custo para o autor. No decurso do primeiro semestre de 2022, a FCT irá também proceder à revisão e divulgação da sua Política de Acesso Aberto/Ciência Aberta, à atualização de regulamentos e à operacionalização dos contratos referidos, preparando igualmente a comunidade de investigação para o novo paradigma do acesso aberto.

União Europeia?
Requisitos até dezembro de 2021
Se a investigação é financiada pela União Europeia? Nesse caso, é obrigado a tornar a sua publicação em acesso aberto. A UE aceita um período de embargo máximo de seis meses (Ciências) ou de doze meses (Ciências Sociais e Humanas).

Financiamento
Pode pagar os custos de publicação de acesso aberto a partir do orçamento do seu projeto. Isto aplica-se a artigos em revistas de acesso aberto completo e revistas híbridas, mas também a livros de acesso aberto.

Novos requisitos
A partir de 2021, as condições para novos projetos tornaram-se mais rigorosas. As publicações devem ser imediatamente disponibilizadas em acesso aberto, sem período de embargo, e com uma licença CC-BY. Só são reembolsados os custos de publicações em revistas de acesso totalmente aberto e de livros.

Preprint

Um preprint é uma versão preliminar de um artigo que ainda não foi revisto por pares. Pode partilhar o preprint no repositório do IPV mesmo antes de o ter submetido numa revista.

Por que razão partilharia um preprint?
A publicação de um artigo numa revista pode demorar vários meses ou mesmo mais. Quando partilhar o preprint, os resultados estarão imediatamente disponíveis. Pode também ter um feedback adicional dos pares ou da comunidade, e utilizá-los para melhorar o artigo.

Onde partilhar um preprint?
Pode partilhar o preprint num chamado repositório preprint. A maioria destes repositórios concentram-se em disciplinas específicas tais como Medicina (medRxiv), Biologia (bioRxiv) ou Sociologia (SocArXiv). Existem também c repositórios preprint para todas as disciplinas (por exemplo, Zenodo). Sugerimos no entanto a utilização sempre do repositório do IPV para esse efeito.

E as políticas das revistas?
A maior parte das revistas aceita submissões de artigos que já tenham sido partilhados como preprint. Pode verificar as políticas de preprint das principais editoras, através do SHERPA ROMEO.

Os motores de pesquisa descobrem os preprint?
Grande parte dos repositórios preprint são indexados pelos principais motores de pesquisa como o Google Scholar e bases de dados como Dimensions, LENS e EuropePMC.

Visibilidade

A visibilidade da sua produção científica é realmente importante. As suas publicações e outras produções têm de ser visíveis e acessíveis para chegar a um público alvo. Um passo importante é a publicação em acesso aberto, mas pode fazer ainda mais para alcançar o seu público alvo. Nesta secção encontrará dicas para trabalhar sobre isto.

Ferramentas

O Ciência ID é um identificador digital pessoal que liga automaticamente o seu nome às suas publicações e currículo académico. Poupa-lhe tempo, por exemplo, quando se candidata a financiamento da FCT. Assegura que as suas publicações são visíveis e receberá reconhecimento pelas suas contribuições para a ciência.

O ORCID ID ajuda-o a aumentar a visibilidade da sua investigação. Além disso, pode poupar tempo ao submeter artigos e projetos.

Pin It on Pinterest